Página inicial > Notícias > Breve histórico da folia do Divino em Cananéia

Breve histórico da folia do Divino em Cananéia

quarta-feira 12 de novembro de 2014

Por Amir Oliveira Garcia Filho e Neyton João Pontes

Trazida pela rainha Isabel de Portugal no século XVII, a Festa do Divino Espírito Santo é uma das mais antigas manifestações religiosas do Brasil.
A Bandeira, junto com a Festa do Divino, é uma das mais antigas expressões da nossa cultura e religiosidade, trazida pelos colonizadores portugueses.
Quando o povo fala de “O Divino” sem explicar o uso dessa expressão, está presente que se trata do espírito Santo do sinal da cruz.
A visita da Bandeira do Divino aos bairros rurais e aos sítios do interior das paróquias é um tempo de profunda vivência religiosa quando a família convida os foliões a entrar na casa com a Bandeira, enquanto, todos ouvem com muita devoção a cantoria dos foliões e prestam sua veneração à Bandeira, beijando as fitas ou a pombinha que está afixada no topo da Bandeira vermelha e representa o Divino.
Em seguida o povo dá sua oferta, antigamente “in natura” com produtos da lavoura, hoje mais em dinheiro. Há pessoas que fazem questão de fixar a cédula de sua oferta a uma das fitas. Depois, a família oferece café e alguma comida aos foliões e alguma coisa como balas ou bolo aos devotos que acompanham a Bandeira de casa em casa enquanto ela está no bairro. Na casa onde almoçam, os foliões possam muito bem, melhor ainda na casa onde pousam à noite. Nessa casa, a Bandeira é coberta com um pano vermelho e encerrada em lugar protegido.
Este rito solene de encerrar a bandeira, provavelmente tem a ver com o fandango que ocorria nas casas onde os foliões pousavam. Quem não gostaria de participar de um fandango por tão bons músicos?! Mas a Bandeira era coberta, separando, deste modo tradicional respeitoso, o sagrado do mundano. Dessas coisas, o povo não fala, mas todo mundo sabe que “deve ser feito assim”.
A despedida da Bandeira é outro momento cheio de devoção e respeito. Depois da cantoria da despedida, os moradores da casa beijam a Bandeira e os foliões partem para a próxima casa onde foram convidados ou se despedem no porto para pegar o barco – antigamente eram sempre canoas a remo – para viajar ao próximo bairro.
Essa festa riquíssima em tradição, sentimentos e gestos religiosos é muito antiga e ficou guardada com profundo respeito desde as tradições trazidas pelos portugueses que nos primeiros séculos da colonização ainda guardavam a religiosidade medieval do sul da Europa. Esta parte da Europa não tinha sofrido a influência da reforma protestante, assim que o Concílio de Trento (1545 – 1563) de início não atingiu a religiosidade católica da península ibérica nem suas colônias. A Bandeira do Divino sai em Cananéia da Igreja Matriz para os bairros e os sítios do interior do município. Esta despedida deve ser feita a cada ano, no dia três de maio (antigamente, dia da exaltação da Santa Cruz).
Acontecem Oficinas de Romaria na Casa do Fandango, às segundas-feiras, às 19h, com o Grupo de Fandango Batido São Gonçalo. Participe!


Rua Antonio Colaço de Souza, 120
Carijo - Cananéia / SP
Telefone: (13) 3851-1201
e M w C B